16 julho 2010

estava mesmo bom! o caspacho...





pois o caspachinho estava mesmo bom! (caspacho não é erro é um regionalismo de pias).
o caspacho, receita simples e fresca. o pão alentejano, naturalmente, o tomate e o pepino. tudo muito migadinho. às vezes também pedacinhos de pimento verde. flor de orégãos triturados entre as mãos, por cima do tomate e umas pedrinhas de sal em cima, para tomar gosto. mas antes já os dois dentes de alho, não muito grandes para não ficar indigesto, haviam sido esmagados com sal no fundo da pelingana (quem não souber o que é procure no léxico pieiro). dá-se assim umas pisadelas no tomate e no pepino para extrair os sucos e depois despeja-se água bem fresca, azeite de moura e bastante vinagre. tem de ser. mexe-se muito bem para misturar o azeite com a água, mas é claro que não se consegue! o azeite é como a verdade e vem sempre ao de cima. verdades do povo, como o caspacho. depois de já estar toda a gente sentada à mesa juntam-se as sopas e tira-se logo para os pratos. que sabem bem é rijinhas e não moles. como certas coisas, enfim. acompanha-se com carapauzinhos fritos, ou uns niquinhos de presunto, mas havendo peixe não há necessidade. e azeitonas, não podiam faltar. e está pronto um grande banquete. e uma grande barrigada, mas barrigadas destas, venham elas...

11 comentários:

Marília Gonçalves disse...

vivam todas as Rubras Papoilas do Alentejo

pois é assim mesmo, cada terra com seu uso cada roca com seu fuso...
no interior algarvio, o gaspacho tinha por nome entre a gente que trabalhava a terra, arredores de Loulé, "Lavadinhas", igualmente com pão caseiro e oregãos que por sinal meu pai adorava
eu aqui falta-me a qualidade do nosso pão caseiro, ingrediente indispensável à excelência dessa sopa de verão
com o abraço amigo
Marília

ARFERLANDIA disse...

Nem convidam .... Boas férias e comezainas que bem merecem.

Um abraço


ARFER

azinheira sou eu disse...

viva marília!

pois em pias também há um prato muito parecido com essas lavadinhas de que falas e curiosamente chama-se lavadas. é uma variante do gaspacho. tb mto bom.
pois ... um bom pão é indispensável
abraço

azinheira sou eu disse...

arferlandia
prometo que para a próxima vais comer um belo caspachinho, mais a tua menina linda.
abraços

Anónimo disse...

Não comi mas é como se tivesse comido. Estava mesmo muito bom!
Joana

azinheira sou eu disse...

ainda bem que gostaste, joana
;)
bj

Marília Gonçalves disse...

Cara Papoila Rubra, amigas
quantas vezes trouxe Portugal até aos meus filhos através de cozinhados típicos portugueses, doces e pão, que me levava exactamente uma hora a amassar, mas ai, o forno atraiçoava a vontade e o esforço e o pão era apenas uma aproximação..
mas acima de tudo não queria que esquecessem quem eram, que esquecessem Portugal

e assim surgiram estes versos à única das minhas filhas que aqui nasceu


à Nádia para que não esqueças.Origem, raízes,cultura. Portugal.







Nasceste aqui longe em França

morena de Portugal.

Mas teu olhar de Criança

olhar que não tem igual,



Poisou na cinza dos dias

no verde que não tem fim

paisagem que até parecia

não teres vindo donde vim.





Mas amor não tem distância

a terra que nós deu vos

foi a luz da nossa infância

modelou o que há em nós.



Foi na língua de Camões

que te cresceu o pensar!

Essa língua onde as canções

são feitas da voz do mar.



Por lá ondulam searas

ou se canta o milho verde

quando as belezas mais raras

nos acentuam a sede.



Onde o povo que trabalha

ri e chora! Cai, levanta

no pais que canta ou ralha

mas que é nosso e nos encanta!



O país que é nosso pai

e nos fala de saudade

ou do irmão que nos vai

dar a mão da igualdade.



Terra-mãe que em si concentre

um amor puro imortal...

tu nasceste no meu ventre

e no meu corpo é Portugal.






Marília Gonçalves

azinheira sou eu disse...

cara marilia
obrigado por mais este teu poema. de certeza que a nádia gostou.
bj

Beta disse...

Sinto-me muito grata pelos poemas, pelas palavras, pela receita, enfim! estou grata por aprender, sempre que venho à Planice...
No Algarve esta salada fria tem outro nome Arjamolho ou Gaspacho. Faço às vezes, a família gosta, embora não sejam algarvios. Já percebi é que não punha alho, talvez porque aprendi a fazer com a minha mãe e ela não era fã de alho.
Um abraço

azinheira sou eu disse...

beta
eu é te sou grata pelas tuas palavras

pois tb conheço o arjamolho e não é mau...
mas ainda assim gosto mais do gaspacho
bj

Marília Gonçalves disse...

oi viva Beta
a minha sogra que era de Albufeira e que faleceu há dez anos com quase cem
(conhecedora de velhas tradições, por conseguinte) fazia o arjamolho a que outros chamavam algeramolho que se distinguia do gaspacho, era também uma sopa feita com água fria oregãos, um pouco de alho cru, azeite sal e as indispensáveis fatias, cortadas rusticamente, de pão caseiro
um abraço


Marília Gonçalves